Reuniões Loja Simbólica:  Segundas feiras às 20h /  Reuniões Lojas Filosóficas: Quintas feiras às 20h

 


 

 
Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

JOÃO GASPAR MEYER

(Johann Caspar Meyer)

Nasceu em 06/10/1829, em Altikon, na Suíça

Faleceu em 16/04/1906, em Nova Friburgo

O reverendo Johann Caspar Meyer chegou a Nova Friburgo em 1860 para ser professor de latim e matemática do antigo Colégio Freeze, que neste tempo pertencia a Galiano Emílio das Neves e Christovão Vieira de Freitas. Na mesma época, o fundador da Igreja Luterana local, pastor Frederico Sauerbronn, já bastante idoso, começou a ser assessorado pelo jovem teólogo Meyer. Com a morte do pastor Sauerbronn, em 1864, este foi nomeado pela comunidade como seu sucessor.

Meyer cursou Ciências e Letras na Universidade de Zurich, onde também formou-se em Teologia, ordenando-se em 1848. Chegou ao Brasil em 1854 e durante oito meses viajou pelo interior do país com amigos amantes da natureza. Depois disso, trabalhou no comércio durante cinco anos, nas cidades de Petrópolis, Rio de Janeiro e Carmo.

Só então conheceu Friburgo e fixou sua residência na cidade. Um ano depois, casou-se com Catarina Weissimann. Desde então, dedicou-se ao magistério, exercendo esta atividade paralelamente ao pastorado, lecionando não apenas no Colégio Freeze, mas em outros educandários, como o Lyceu Nacional e o Friburguense.

Foi vereador durante 15 anos pelo Partido Conservador (de 1875 a 1890), chegando a presidente da Câmara, cargo que na época era equivalente ao de prefeito. Depois disso foi eleito juiz de Paz, mas renunciou pouco tempo depois. Pastor Meyer também foi membro da Loja Maçônica Indústria e Caridade.

Exerceu o pastorado na Igreja Luterana local durante 42 anos (de 1864 a 1906), chegando a liderar a construção de um templo em São José do Ribeirão, que acabou sendo absorvido pelos presbiterianos. Assim que dominou o português, Pastor Meyer passou a usar a nossa língua nos cultos da igreja local, reservando o alemão para a área rural, onde estavam fixadas muitas famílias de imigrantes.

Chegou a uma idade avançada e teve uma vida muito difícil, assim como o de todos os colonos. Para começar, o atendimento religioso nas áreas mais distantes era complicado, pois o cavalo era o único meio de transporte. Para ir de Friburgo a São José, por exemplo, levava-se cerca de quatro horas a cavalo.

Seu sonho era ver seu filho Adolfo Meyer pastor, para substituí-lo junto à comunidade. Este chegou a estudar num seminário presbiteriano local, mas não concluiu o curso. Segundo consta, não chegou a realizar ofícios religiosos, apresentando-se apenas como líder dos luteranos, preferindo dedicar-se ao magistério.

 

Fonte:http://www.avozdaserra.com.br/colunas/35/12138/pastor-meyer-um-pastor-com-o-magisterio-na-alma